Os israelenses aqui, com Paella.

Paella Pascoalina com vinho israelense, culinária e cultura!

Estamos comemorando o descobrimento do Brasil dia 22. Todos sabem que foi Cabral, um empreendedor o descobridor oficial, mas muitos não sabem quem foi Gaspar da Gama, o cara que trouxe Cabral ate o Brasil. Ao avistarem a terra pensaram ser uma ilha, e a chamaram de ilha de Pascoa.

Não era uma ilha, e sim uma baía em Porto Seguro. Ao se aproximarem perceberam que o lugar era habitado por índios pelados. Inicialmente estes não foram muito amigáveis.
Gaspar da Gama o navegador que indicou a rota para Cabral era escravo de Vasco da Gama. Era comum judeus e outras minorias serem escravos de grandes senhores, verdadeiros servos fieis. Era o caso de Gaspar, seu compromisso era levar as naves de volta para o reino, com o maior numero de riquezas possíveis: ouro, prata, metais, pedras preciosas, madeiras, fibras, animais, e escravos. Os índios nervosos cercaram as caravelas com suas canoas e ameaçavam com flechas e lanças os portugas amedrontados pela quantidade de índios, e ao mesmo tempo fascinados pela beleza do lugar. Gaspar se dirigiu ao líder dos índios Pataxos em aramaico e disse Salam Aleikum, e fez uma reverencia tocando a testa e o peito com a mão…os indios ainda nervosos tocaram com a ponta de suas lanças de pedra a roupa dos portugueses, os observavam, cheiravam desconfiados e intrigados com aqueles brancos fedorentos, na época era chique ser fedorento. Ao ser tocado por um indio, Gaspar disse: kus ima shelcha!! O índio entendeu Ima, sim ai começaram a conversar e aceitaram os presentes, espelhos, contas, facas, tesouras, pratos, copos, garfos, roupas, sapatos, e por ai começa o Brasil, pelo comercio.
Pelo fato da paella ser o prato predileto de Gaspar, nao se trata de um prato kasher, por causa dos lagostins e mexilhões. A ideia e divulgar os vinhos de Israel, nao pela certificação religiosa e sim pela tradição vinifera do pais e da regiao. Ideia do amigo Jose Grimberg da Bergut, e praticada tambem pela Vinhos de Israel, Candy, e outros que conhecem o potencial do terroir israeli. Uma combinação perfeita para o sincretismo brasileiro. Frutos do mar, vinho branco gelado. Nossa dica:
Y A R D E N M O U N T H E R M O N W H I T E
Corte: Chardonnay e Sauvignon Blanc 
e pouco Semillon.
Origem da uva: Norte do Golan.
Processo: Fermentado a frio em stainless steel 
preserve fruit carater
Notas: Balanced combination of tropical fruits,
melon and citrus notes with light herb notes; mediumbodied with a fresh finish.
Sugestao para servir, do produtor: With a wide variety of foods,
everything from Ceasar salad to garlicky gazpacho or
a rich cheese fondue.
Servie na  Temperatura: 10°C
Receita da Paella, e so clicar aqui, eu usei uma base do que vi num programa de TV e do Receitas. com!

Uma resposta para “Os israelenses aqui, com Paella.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.