Picles estilo judaico de NY

O chamado pickle “kosher” não é necessariamente kosher no sentido de que cumpre as leis alimentares judaicas. É chamado de kosher por causa de seu perfil de sabor, que se tornou popular pelos fabricantes judeus de picles de Nova York, conhecidos por seus picles naturais salgados, fortemente temperados com endro e alho. Portanto, qualquer picles temperado da mesma maneira é conhecido como “endro kosher”.

Picles da hora!

INGREDIENTES:

5 colheres de sopa sal marinho

2 quartos de água sem cloro

4-6 folhas de uva, carvalho, raiz-forte ou louro

6-9 dentes de alho, descascados

2 grandes cabeças de endro

Temperos a gosto: pimenta preta, flocos de pimenta vermelha, sementes de mostarda, etc. ( Ingrediente secreto: para uma mordida extra, adicione algumas tiras de raiz-forte fresca à mistura de especiarias!)

Pepinos em conserva suficientes para encher um frasco de ½ galão

INSTRUÇÕES:

  1. Faça uma salmoura dissolvendo 5 colheres de sopa de sal marinho em 2 litros de água sem cloro. ( Nota: esta receita possivelmente fará mais do que o necessário, você pode economizar salmoura extra para ser usada em fermentações futuras.)
  2. Em uma  jarra de meio galão,  adicione algumas folhas contendo tanino, alguns dentes de alho, pontas de endro e ⅓ das especiarias.
  3. Embale bem metade dos pepinos sobre as especiarias. (Os mais longos funcionam melhor na parte inferior.)
  4. Repita uma camada de folhas, alho e especiarias. Adicione outra camada bem embalada de pepinos e cubra-os com mais alho e especiarias.
  5. Despeje a salmoura sobre os picles, deixando 1-2 polegadas de espaço livre. Coloque outra folha contendo tanino em cima dos pickles como uma cobertura entre os pickles e a superfície da salmoura. Use um peso de fermentação para manter os picles sob o líquido, se necessário. Cubra o frasco com uma tampa apertada, uma tampa de câmara ou filtro de café preso com um elástico.
  6. Fermentar em temperatura ambiente (60-70 ° F é preferido) até que o sabor e a textura desejados sejam alcançados. Se estiver usando uma tampa apertada, abra diariamente para liberar o excesso de pressão. A salmoura deve ficar turva e borbulhante, e os picles devem ter gosto azedinho quando prontos.
  7. Coma imediatamente, ou guarde em uma geladeira ou adega por meses e aproveite durante todo o ano.

Why Not??

Negroamaro Primitivo (Zinfandel) Why Not, Por que não? 15.0 de teor alcoolico e delicioso, bom bonito, é o maior barato!

A genetica das uvas Primitivo, ou Zinfandel, nativa das encostas das costas do Mediterraneo, se adaptou bem em diversos climas, em paises, com clima mais quente e arido, e especialmente nos climas mais frios.  Sua qualidade, açucar intenso, graduacao alcoolica idem.  Ja degustei alguns vinhos americanos feitos com Zinfandel, o resumo dos taninos intensos, acucares e especiarias que se transformam em muito alcool, aroma e sabor de boca frutado, um vinhaço com custo muito bom. Oferta no Prezunic.

 

Designação Negroamaro Primitivo (Zinfandel) Why Not 15.0 Grande Vino Italiano
Ano 2018
Sabor seco
Produtor Por que não?
Uvas Negroamaro, Primitivo
designation_of_origin Rosso Puglia IGT
Extensão tanque de aço
Características vermelho rubi intenso; Intenso e complexo com notas de ameixas maduras, ginjas e especiarias; Bem equilibrado, com boa estrutura e taninos suaves
Combinação perfeito com massas picantes, carnes vermelhas e queijos maduros
drink_temperatur 16-18 ° C
Bottle_contents 0,75 l
Fabricante: Contri Spumanti – 37030 – Cazzano di Tramigna – Itália
indicação_de_alergênico contém sulfitos
Álcool 15% vol

 

Vinhas Velhas, um Tannat simbólico.

Tannat se tornou a uva nacional do Uruguay. Apesar da ascendencia francesa, na França quase nao existe. Meu querido avô materno, Simon Riz, revendia vinhos dos italianos, produzidos com sua marca, para distribuir em Montevideo. Os garrafões chamados de Damajuanas, eram cobertos por cestos de palha. Esse vinho ele chamava de Berreta, por causa de sua borra. Era o Tannat. Aprendi a gostar e entender seu paladar, e quando encontro um Tannat bem elaborado como esse, fico feliz. O Brasil com altitude e diferentes solos, permite uma boa adaptação dessa uva.

No serviço me surpreendi com a cor e intensidade. Pode parecer pesado, mas no final tem muita fruta, amoras, acerolas, pitangas e ervas comum nos vinhos da Campanha.

Sem couro!!!

Este vinho único é elaborado com a uva Tannat proveniente do vinhedo fino mais antigo do Brasil conduzido em espaldeira, localizado no município de Santana do Livramento/RS. O processo de vinificação integral em barrica nova de carvalho francês potencializa as virtudes da casta, perfeitamente adaptada ao terroir da Campanha Gaúcha. Sua “artesanal” elaboração e ausência de tratamento de estabilização tartárica e filtração, proporcionam uma invulgar pujança e robustez.
 

Ficha Técnica

VINHA
Região: Campanha Gaúcha/RS
Solo: Arenoso de topografia plana
Clima: Quente e subúmido
Variedade(s): Tannat
Ano de plantio do vinhedo: 1976
Produtividade: 1 kg/planta [3 ton/ha]
Sustentabilidade: Tratamento térmico do vinhedo utilizando TPC (Thermal Pest Control)
Colheita: Manual e seletiva

VINIFICAÇÃO
– Seleção dos cachos em mesa selecionadora;
– Desengace total dos cachos, sem esmagamento;
– Aumento da relação sólidio/líquido;
– Maceração pré-fermentativa a frio por 1 semana;
– Enchimento das barricas novas de carvalho francês por gravidade;
– Fermentação alcoólica a 25°C, por cerca de 20 dias, dentro das barricas e com as cascas;
– Maceração pós-fermentativa prolongada (cuvaison de 40 dias, em média);
– Fermentação malolática espontânea, na madeira e nas cascas;
– Prensagem em prensa tipo torchio, onde a totalidade do vinho prensa foi adicionada ao vinho flor;
– Amadurecimento nas barricas novas de carvalho francês por 12 meses;
– Sem colagem e com filtração grossa.

ANÁLISE SENSORIAL
Visão: Límpido e brilhante, de intensa coloração vermelho profundo, com forte reflexos violáceos e densas lágrimas.
Olfato: Aromas densos e fechados, vão do chocolate ao tostado, perfeitamente integrado com aromas de frutas vermelhas maduras que lembram geleias.
Gosto: Corpo intenso e potente, de taninos maduros e envolventes e larguíssima persistência gustativa. 

SERVIÇO E HARMONIZAÇÃO
Serviço: A temperatura ideal é de 16 a 18°C.
Harmonização: Por se tratar de um vinho único e cuidadosamente elaborado, permite-se acompanhá-lo pratos requintados a base de carne de gado, de cordeiro, de carneiro ou carnes de caça, por exemplo, churrasco gaúcho, rabada, ossobuco, barreado, buchada de bode e também pode ser ótima escolha queijos maduros de massa dura, como parmesão, pecorino e grana padano.
 

Visita a Vinícola Juan Carrau: a casa do Amat.

Fui visitar a vinicola Juan Carrau que fica em Montevideo. Ja havia degustado alguns de seus vinhos, mas não tive a oportunidade de visitar. Gosto de chegar de surpresa nas vinicolas, o que me propicia alguns problemas mas esta cercado de vantagens: posso sentir o trabalho em andamento, sem que as instalações tenham sido preparadas. O cuidado e a higiene dessa bodega uruguaia surpreende, apesar de pequeno porte muita qualidade e equipamentos, assepsia!!

Fui recebido pelo proprietario Javier Carrau, que mostrou todo o processo e contou alguns detalhes. Provei alguns novos vinhos, e tenho mais detalhes no video, um pouco da historia da familia, detalhes da producao pra voces. Assistam e desfrutem!!